• Marabá em "pleno desenvolvimento"



    Não precisa ser de Marabá para saber que a cidade está em ampla ebulição, são obras (federais e estaduais) por todos os lados e ainda a construção de uma siderúrgica que promete gerar 16 mil empregos só na implantação que já começou.

    A Aços Laminados do Pará, a ser implantada à margem da rodovia Transamazônica, a 14 km da sede do município, vai mobilizar investimentos de R$ 5,2 bilhões. Ela tem capacidade inicial de produção de dois milhões de toneladas métricas de aços semiacabados (placas) e 500 mil toneladas de aços laminados (bobinas a quente e chapas grossas) por ano, podendo ser ampliada a qualquer tempo para cinco milhões de toneladas.

    A siderúrgica da Vale trará vantagens competitivas para o Estado, uma vez que agregará valor ao minério de ferro extraído das minas de Carajás, no município de Parauapebas. A direção da Vale estima que o empreendimento vai gerar, na região, 16 mil empregos durante a implantação e mais de 5.300 diretos, entre próprios e terceirizados, na fase de operação. A mineradora calcula que serão gerados ainda, em caráter permanente, mais de 16 mil novos postos de trabalho indiretos, dado o efeito multiplicador da atividade siderúrgica e as inúmeras possibilidades de novos negócios que ela vai propiciar em toda a região. (diariodopara.com)
    Tudo isso mexe com quem está na cidade, com quem passa por aqui ou simplesmente ouve falar, o fenômeno é parecido com o que aconteceu com a "Serra Pelada" na década de 80. Mas será que a cidade está se preparando para as consequências desse desenvolvimento? Vejamos, a população deve, segundo estudos realizados, triplicar nos próximos quatro anos, ou seja, passaremos de 600 mil habitantes. Hoje, com uma população aproximada de 200 mil moradores e uma frota de veículos que ultrapassa 30 mil, já é difícil estacionar nos principais pontos da cidade, os postos de saúde têm dificuldades para atender a população atual, a maioria da escolas públicas apresenta problemas de estrutura que vão desde quadros inadequados até salas de aulas sujas e sem ventiladores,  VENTILADORES mesmo, pois central de ar ou condicionador de ar só é possível ver nas salas onde fica apenas uma  pessoa, como as turmas geralmente têm entre 40 e 50 alunos é  o velho e conhecido ventilador que continua fazendo o seu trabalho de espalhar o ar quente pela sala.
    Foto: divulgação no site da prefeitura

    É, o desenvolvimento está chegando mas ele não vem sozinho, na "bagagem" vem uma série de problemas que devem ser combatidos desde já, caso contrário a maioria da população vai sentir muito mais os efeitos do "inchaço" do que usufruir dos prazeres do aquecimento econômico.
  • Outras postagens que podem ser do seu interesse

    4 comentários:

    1. É verdade, só se fala em desenvolvimento, pouca gente fala dos impactos sociais e ambientais, e ainda tem uma hidrelétrica para ser construída aqui em Marabá e eu não estou vendo a cidade se preparar em nada.

      ResponderExcluir
    2. A verdade não é tão bonita como se pinta, falam de marabá como se fosse uma cidade modelo, o lixo a lama e a poeira tomam conta de tudo aqui, é só olhar pros lados, realmente sujeira tem por todo lado não é só na sala de aula não. É bom tocar no assunto porque a imprensa local não fala disso não. Vamo botar a boca no TROMBONE.

      ResponderExcluir
    3. Depois da matéria da Revista Veja sobre o crescimento de várias "Cidades Médias Brasileiras" e sobre as “20 Metrópoles do Futuro", percebo o quanto os discursos, a respeito de Marabá, vêm mudando dentro e fora do Estado. Como tenho estado muito em Goiânia vejo isso de perto, lá, até agosto, quando se falava em Marabá sempre vinha a afirmação: "é um lugar muito quente, feio e violento". Mas, um mês, após a publicação da matéria pela Veja já percebo mudanças na opinião de vários amigos goianienses, muitos destes dizem estar planejando virem morar aqui assim que terminarem a faculdade.
      Não há como fugir do futuro que aguarda nossa cidade. Ela será uma cidade grande e possivelmente uma capital... Mas, aqui, não se enxerga de imediato ações no sentido de prepará-la para esse futuro que já chegou, o que se vê são paliativos que só mascaram a realidade. Não são prioritárias as construções de praças e orlas, nem a pavimentação com asfaltos de péssima qualidade, contudo, muita gente, neste município, acha que o trabalho da administração pública seja essencialmente esse... Prioritária é melhoria da qualidade da educação pública, da qualificação profissional, da saúde pública, são urgentes políticas de habitação, saneamento (rede de água tratada e esgoto tratado), além de uma política ambiental séria que resolva o problema do lixo urbano, que tenha um projeto de arborização para amenizar esse calor extremo de nossa cidade e pavimentações das ruas com materiais alternativos e resitentes, tais como blocos de concreto, que além de baratos, permitem a permeabilidade da água das chuvas..
      Mas, infelizmente, todas as gestões, estaduais e municipais que já vi, andaram e andam longe do básico citado... É certo que aumentará a exclusão social e suas conseqüências: favelarização, violência, criminalidade, mendicância, prostituição e todos as mazelas de uma cidade grande.
      Enfim, está passando da hora de escolhermos melhor nossos representantes.

      ResponderExcluir
    4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      ResponderExcluir

    Deixe seu comentário